Resenha #1 | Stranger Things (2016)


Stranger Things, é uma experiência extraordinária para quem cresceu nos anos 80 ou até mesmo para aqueles que não cresceram nessa época marcante. Ambientada em 1983, a série conta a história de uma pequena cidade no Interior do Indiana que se vê cercada de “coisas estranhas”, um menino desaparece em circunstâncias misteriosas e a polícia local, sua família e seus amigos saem em sua busca. No meio dessa aventura, um grande mistério envolvendo experiencias bizarras afinge os moradores. Um argumento básico e oitentista ao estilo historias de Stephen King que alias as doses na serie são enormes. Mas a forma que os irmãos Matt Ross Duffer conduzem a narrativa a torna extremamente autêntica e original. Ainda falando sobre as referencias, Stranger Things é descrita como uma carta de amor aos anos 80 pelos criadores. Algumas delas são os garotos jogando o saudoso RPG Dangens Dreagons, o letreiro de um cinema exibe o título A Chance, filme de futebol americano estrelado por Tom Cruise e lançado na data citada nos EUA.  uma mãe compra ingressos para uma exibição de Poltergeist – O Fenômeno, lançado em 1982,  Fora isso, notamos cartazes de filmes recentes nas paredes dos quartos dos meninos, como O Enigma de Outro Mundo (1982) e Evil Dead – A Morte do Demônio (1982). Ou seja, referências à cultura pop do passado não faltam. De Atari ao vestuário, passando pelas músicas, Senhor Dos Aneis e Star Trek. 


 Mais não só da nostalgia que faz da serie ótima, o roteiro clichê porem muito bem escrito nos leva a uma atmosfera de Elementos “Spielberguianas” , como crianças protagonistas, uma cidadezinha, pitadas de ficção científica e o suspense do que espreita na esquina. Outro ponto alto da serie e o cast de atores(parabéns para a equipe de seleção de atores). Temos na frente das câmeras rostos conhecidos como de Winona Ryder (Os Fantasmas se Divertem), na pela da sofrida mãe do garoto desaparecido e Joyce Byers  Matthew Modine (Nascido para Matar) retorna aos holofotes na pele do suspeito Dr. Brenner. É no núcleo infantil e adolescente, porém, que Stranger Things se destaca. É possível dizer que as crianças da série possuem o mesmo carisma e a mesma química d’Os Goonies de Richard Donner. Mike (Finn Wolfhard), o líder, Lucas (Caleb McLaughlin), o cético, Dustin (Gaten Matarazzo), o palhaço, e Will (Noah Schnapp), o bonzinho. Porem o mais impressionante é a atriz-mirim Millie Bobby Brown, que faz a Eleven, uma personagem que tem poderes psíquicos e é usada pelo governo pra ser estudada e consegue fugir. 



A atriz entrega muito bem uma personagem cheia de mistério, de força contida e com medo das pessoas, por não ter boas referências de onde ela vem. Alias o grande ponto da serie é o elenco das crianças, bem humoradas e aventureiras, entrega para o nosso deleite uma das melhores atuações infantis da historia do entretenimento. Um drama tocante que vai transportar toda uma nova e velha geração a tão amada década de 80. Não é uma grande carta de amor a essa época é uma enorme declaração apaixonada. Obrigado Netflix, mas obrigado mesmo.


Resenha #1 | Stranger Things (2016) Resenha #1 | Stranger Things (2016) Reviewed by Mario Vianna on 12:00 Rating: 5

Sobre o Mario: Pseudo-escritor, cronista e blogueiro, devorador de pizzas e sushis, sommelier de cervejas mas acaba escolhendo sempre a mais barata. Apaixonado por cinema, Alice e Tarantino mais queria mesmo é ser Woody Allen. Facebook | Twitter

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.